12 dicas para um planejamento financeiro familiar eficiente

Conseguir equilibrar os gastos e ter uma estabilidade econômica quando se tem uma família é um desafio. O planejamento financeiro familiar, nesse caso, é essencial, já que a colaboração e a conscientização de todos com os ganhos e gastos do coletivo é o ingrediente principal para o sucesso da economia da família.

O planejamento financeiro nada mais é do que uma maneira de organizar as finanças de toda a casa, anotando ganhos e gastos para que se tenha um controle de fácil visibilidade. Para conseguir ter esse controle, porém, é preciso que todos tenham organização e responsabilidade com o próprio dinheiro, sabendo quanto ganha e quanto precisa gastar.

Para ajudar você a fazer um bom planejamento financeiro com sua família, vamos listar 8 dicas importantes que vão tornar essa missão mais fácil. Acompanhe e comece agora mesmo a organizar as economias da sua família!

A importância do planejamento financeiro para a família

Infelizmente, a organização financeira ainda não é muito popular no país. Mais de 65% das famílias brasileiras estão com dívidas, segundo aponta a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), realizada em janeiro de 2020.

Porém, nunca é tarde para mudar! Ao adquirir o hábito do planejamento financeiro, toda a família desfrutará de um futuro mais tranquilo e com mais qualidade de vida. Confira abaixo as principais vantagens que essa prática proporciona.

Oferece proteção financeira

Todos estamos sujeitos a imprevistos: um problema de saúde, falha mecânica no carro, quebra de algum eletrodoméstico, necessidade de reparos na casa, entre outros. Situações inesperadas podem cair como uma bomba no orçamento mensal.

A partir do momento em que os recursos financeiros da família são gastos de acordo com o planejado, se torna possível criar um fundo de emergência para solucionar esses problemas sem causar tanto impacto.

Ajuda na realização dos sonhos

Toda família tem aquele sonho que pode parecer muito distante: a casa própria, um carro novo, uma viagem para outro país… Mas a boa notícia é que o planejamento financeiro familiar ajuda a torná-lo realidade.

Essa pode ser a motivação inicial para que todos os membros do grupo familiar colaborem para a contenção de gastos e, consequentemente, para o alcance desse objetivo em comum.

Evita o endividamento

Com o planejamento financeiro, você passa a saber de onde vem e para onde vai todo o dinheiro da família. Assim, é possível cortar gastos supérfluos e reservar os recursos necessários para cada despesa.

Ou seja, as dívidas atuais serão pagas e o risco de contrair novas é reduzido. E a família ficará livre das taxas e juros altíssimos cobrados por algumas modalidades, como o cheque especial e o cartão de crédito.

Possibilita o aumento do patrimônio

Quando o dinheiro é gerenciado com cautela, as contas são pagas em dia e ainda sobra uma quantia para investir. Essa é uma boa oportunidade para aumentar o patrimônio da família a longo prazo — garantindo um futuro melhor para os filhos.

Diferente dos que muitos pensam, não é preciso ter muito dinheiro para começar a investir. Existem diversos investimentos de baixo custo, como o Certificado de Depósito Bancário (CDB), Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e o consórcio. Com eles, você aprende a se disciplinar, ganha experiência no assunto e tem mais chances de obter um retorno significativo.

Contribui para a harmonia familiar

Uma das principais causas de conflitos familiares são os problemas financeiros. A incerteza gerada pela falta de dinheiro e acúmulo de dívidas aumenta a tensão e os desentendimentos.

Nesse cenário, o planejamento financeiro é a melhor solução. Não só por proporcionar mais equilíbrio ao orçamento familiar, mas também por estimular o diálogo sobre o assunto no ambiente doméstico.

12 dicas para fazer o seu planejamento financeiro familiar

Depois de compreender como o planejamento financeiro é fundamental para sua família, é hora de aprender a colocar tudo isso em prática. Separamos 12 dicas que tornarão essa missão mais fácil para você. Veja!

1. Agrupe os gastos de todos

Quando se tem uma família, o ideal é que toda sua renda seja transformada em um só montante, assim fica mais fácil de administrá-la.

Coloque no papel os salários e outros possíveis ganhos de todos os membros da família para que se comece a ter uma ideia da renda que a casa tem.

2. Faça uma planilha

A planilha é a peça-chave para quem deseja economizar e organizar os gastos, seja de forma pessoal ou coletiva. Nela, serão descritos todas as despesas da família, assim como sua renda.

Faça uma parte com os custos fixos: aluguel, financiamento, escola dos filhos, parcelas do carro, água, energia, internet, supermercado, entre outros.

Depois, faça outra lista com os gastos variáveis: almoços fora, cafezinho da tarde com os colegas na doceria, compras de roupas e tudo mais.

Deixe um espaço para que cada integrante coloque seu nome e consiga anotar seus gastos ali. É importante que tudo seja anotado — até as compras menores — para que depois se consiga ter uma noção próxima da realidade de quanto é gasto mensalmente com contas que não são fixas.

3. Analise os gastos

Depois que você conseguiu fazer a planilha e incentivar todos a anotarem suas despesas, fica mais fácil sentar e analisar os dados que estão ali.

Comece com os gastos fixos e veja se existe algum que pode ser reduzido. Por exemplo: você pode ligar na operadora de celular para pedir uma redução no plano, ou na sua provedora de internet para conseguir um desconto. Também vale a pena ficar de olho nas promoções para economizar.

4. Corte o que não for necessário

Se sua família não é fã de televisão, para que pagar mensalmente um pacote completo com todos os canais? Reduza sua assinatura, assine um serviço de filmes e séries por streaming, como a Netflix, e veja a economia que você fará.

Muitas vezes, ficamos apegados a determinados serviços e achamos que precisaremos deles em algum momento. Mas acaba que eles nunca são utilizados. Por isso, não hesite em cortar o que você não usa há meses. Se houver a necessidade, você pode voltar a assiná-los.

5. Reserve uma quantia para emergências

É muito importante ter uma reserva financeira para emergências, como um acidente ou um conserto inesperado do carro. Essas situações, normalmente imprevistas, comprometem o orçamento familiar e podem desequilibrar tudo se não houver uma reserva destinada a isso.

Faça as contas e veja quanto a família precisaria no caso de alguém ficar desempregado, ou precisar de um tratamento especial. Depois, foque suas economias para atingir esse valor e só utilize-o quando houver extrema necessidade.

6. Considere as formas de pagamento

Não tenha vergonha de perguntar na loja se o pagamento à vista tem algum desconto. Muitas vezes, a resposta é positiva, e você pode comprar algo por um preço ainda menor se a forma de pagamento for essa.

Se a compra for de um valor maior, o qual será preciso parcelar, também não tenha medo de pechinchar. Faça disso um hábito e você verá que muitos estabelecimentos podem oferecer descontos que você jamais imaginou.

Se utilizar o crédito como forma de pagamento, não se esqueça de colocar as milhas do cartão no seu planejamento. Use-as para comprar acessórios ou para viajar, mas não deixe que elas expirem.

7. Invista uma parcela do seu dinheiro

Deixar o dinheiro no banco pode não ser a melhor alternativa se você gostaria de ver o patrimônio financeiro de sua família aumentar. Hoje, a poupança rende menos que a inflação, o que significa que seu dinheiro pode ficar defasado no final de um ano, por exemplo, quando comparado à inflação.

Procure o gerente do seu banco e peça ajuda para aplicar uma quantia em um fundo de investimento. Existem opções, como o Tesouro Direto, que rendem bem mensalmente e que podem fazer seu dinheiro crescer com apenas uma aplicação.

Se você não entende muito bem de investimentos e fica inseguro, faça pesquisas, pergunte a amigos e entre em sites de corretores e investidores. Eles possuem bons conteúdos que vão introduzir você a esse assunto de uma maneira fácil.

8. Crie metas para a família toda

Que tal combinar com a família de todos fazerem um pequeno esforço para economizar? Faça trocas inteligentes, como trocar a viagem de final de semana por um passeio com piquenique no parque, ou trocar os almoços e jantares fora nos sábados e domingos por uma comida caseira feita pela família.

Mesmo que pareçam gastos pequenos, esses detalhes podem fazer toda a diferença para a família. É importante também colocar metas, como: não ficar mais de 10 minutos no banho, escovar os dentes com a torneira fechada e apagar as luzes dos cômodos em que não há ninguém.

Envolvendo a família toda nessa missão, fica mais fácil que todos se apoiem e continuem empolgados em economizar.

9. Renegocie dívidas

Se a família tem alguma dívida, o primeiro passo é tentar renegociá-la. Dessa maneira, você se livram dos juros e ganham mais fôlego para fazer planos futuros.

Considere as receitas e despesas mensais para estipular a quantia de dinheiro que pode ser reservado para quitar essas dívidas. A partir daí, elabore uma proposta e entre em contato através dos canais oficiais dos credores.

Seu poder de negociação é ainda maior se conseguir pagar à vista. Mas caso não seja possível, tente alcançar condições facilitadas, como parcelas mais flexíveis ou redução da taxa de juros. Lembre-se de pedir que a proposta seja feita por escrito, discutir com a família e não ter receio de oferecer contrapropostas.

Caso não consiga chegar a um acordo entre as partes, uma alternativa é trocar dívidas maiores por menores. Por exemplo, pegar um empréstimo com juros menores para liquidar a dívida com o rotativo do cartão de crédito (que é extremamente caro).

10. Defina o padrão de vida da família

Conhecer seu padrão de vida ajuda a construir um planejamento financeiro eficaz. Para isso, você não deve se basear no quanto a família ganha, e sim no quanto ela gasta. Afinal, é possível ter um padrão de vida alto mesmo ganhando pouco — o que geralmente resulta em dívidas.

Para definir o padrão de vida ideal para sua família, busque sempre o equilíbrio. Não é preciso eliminar todos os gastos, apenas estabelecer quais são as prioridades.

Reúna todos para analisar a planilha que te ensinamos na dica nº2 e discutir quais hábitos de consumo são realmente importantes para o bem-estar. Muitas vezes, é mais vantajoso guardar dinheiro para uma viagem com a família no fim do ano do que comprar roupas novas todo mês, por exemplo.

11. Planeje gastos futuros

Pensar nos gastos futuros reduz os riscos de criar novas dívidas. Existem bons métodos que tornam essa tarefa mais simples, como a regra 50:30:20.

Essa ferramenta estabelece um limite de gastos mensais divididos em 3 categorias:

  • 50% para gastos essenciais: metade da renda é destinada a manter a sobrevivência. Isso inclui alimentação, moradia, transporte, contas de consumo e outros serviços indispensáveis para sua rotina.
  • 30% para gastos flexíveis: despesas relacionadas aos desejos pessoais, que não são necessárias mas trazem felicidade. Idas ao restaurante e assinatura de serviços de streaming são alguns exemplos.
  • 20% para metas financeiras: recursos que devem ser poupados para conquistar seus objetivos no futuro. Nesse caso, você pode ser mais flexível para cima (se puder guardar 25%, por exemplo, é melhor ainda).

12. Aposte em alternativas de renda extra

Além de minimizar gastos, é sempre bom aumentar os ganhos. Por isso, abuse da criatividade na hora de pensar em alternativas para obter uma renda extra.

A família ama animais de estimação? Existem aplicativos que oferecem remuneração em troca de hospedagem e passeio com pets. Algum integrante tem habilidades culinárias ou com artesanato? Façam produtos para vender. Você domina algum assunto ou idioma? É possível dar aulas particulares, até mesmo via internet.

Esse dinheiro a mais será de grande ajuda para o orçamento mensal, contribuindo para que a família consiga atingir seus objetivos.

O planejamento financeiro familiar, quando feito e entendido por todos os membros da casa, é mais fácil de ser seguido. Educar financeiramente os filhos, entender mais sobre economia e ter organização são passos essenciais para economizar, comprar com consciência e ainda guardar dinheiro para uma viagem em família.

Agora você entendeu todos os passos para cuidar do orçamento familiar, certo? Aproveite para testar seus conhecimentos nesse quiz e descobrir se realmente sabe como economizar dinheiro!

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.