Como é definida a parcela do consórcio e como é feito o pagamento?

O consórcio é um investimento de baixo custo que permite a aquisição de bens de forma planejada. Com ele, é possível parcelar o valor sem o pagamento de juros e, na contemplação, aproveitar as vantagens de uma compra à vista.

Por todos esses motivos, ele é uma ótima alternativa para adquirir bens e aumentar o patrimônio, mesmo em épocas de crise econômica. Ainda assim, muitas pessoas têm dúvidas sobre alguns detalhes, como a definição da parcela do consórcio.

Você não sabe como funciona os pagamentos desse serviço? Quer entender melhor para escolher uma cota que encaixe na sua organização financeira? Que tal esclarecer esse assunto hoje? Acompanhe nosso post!

Como funciona a parcela do consórcio?

Primeiro é interessante saber do que se trata o consórcio. É uma modalidade de economia colaborativa em que um grupo de pessoas se reúne para se autofinanciar. Assim, o pagamento de parcelas é bem diferente do que acontece quando você pega um empréstimo com alguém ou quando financia um bem no banco, por exemplo.

Nesses dois casos, você compra um produto com o dinheiro de outra pessoa e vai pagar esse valor parcelado acrescido de juros. Já no consórcio você paga de forma programada, ou seja, vai honrando as parcelas antes de adquirir o produto. Isso permite que você se livre dos juros, pagando apenas a taxa de administração do grupo.

Dessa forma, a parcela paga corresponde, basicamente, ao valor do bem dividido pela quantidade de meses que você deseja. Por esse motivo, antes de contratar um consórcio você escolhe especificamente o produto que quer comprar. Não é possível, por exemplo, usar o dinheiro de um consórcio de automóveis para comprar uma casa ou apartamento.

Como os valores são definidos?

Além do preço do produto, são embutidas nas parcelas as taxas referentes à administração do consórcio, o seguro e um valor para reserva financeira do grupo (quando não utilizado, esse dinheiro é devolvido aos membros ao final do consórcio). Para calcular a parcela do consórcio, a administradora soma esses valores e divide pelo prazo de duração do grupo.

Para entender na prática, imagine que você deseja adquirir um carro de determinada marca e modelo que custa 50 mil reais. A empresa administradora do consórcio cobra um percentual em cima desse valor como taxa de administração. Além disso, você precisa conhecer o preço do fundo de reserva e do seguro. Se, nesse exemplo, você escolhe um prazo de 120 parcelas, a soma dos valores é dividida por esse número para chegar à parcela a ser paga.

Atenção: nem sempre essa parcela vai se manter a mesma até o final dos pagamentos. O valor pode passar por reajustes, dependendo das variações do preço do produto. Como o grupo estará pagando antecipadamente por uma aquisição futura, o aumento no valor do bem pode exigir alterações na cota do consórcio.

Como os pagamentos levam à contemplação?

Todos os participantes do consórcio receberão a carta de crédito na finalização do grupo. Com ela, você pode adquirir o produto especificado no contrato ou algum outro da mesma categoria — é possível comprar um carro de outro ano ou modelo, desde que o seu consórcio seja de automóveis, por exemplo.

Para quem não quer esperar o fim de todas as parcelas para comprar o bem, há duas possibilidades de antecipar a contemplação: o sorteio ou o lance. Nos dois casos, o pagamento das mensalidades em dia é pré-requisito para receber o crédito. Por isso, de qualquer forma, a cota precisa ser paga normalmente.

Qual é a relação das parcelas com o lance?

Quem não quer contar com a sorte pode se organizar para oferecer um lance em dinheiro e antecipar a contemplação dessa forma. Para isso, você precisa apresentar o maior valor entre todos os consorciados que deram um lance naquele mês. É possível garantir isso acompanhando os meses anteriores e analisando a média oferecida.

Ao ser contemplado por meio do lance você está, na verdade, antecipando parcelas do consórcio. As mensalidades do final serão abatidas com o valor que você utilizou para antecipar sua carta de crédito. Cabe a administradora do consórcio definir as regras para apresentação dos lances (pode haver um valor mínimo ou um lance fixo, por exemplo).

Todas as informações sobre esse pagamento devem constar no contrato de adesão. Por isso, antes de definir e apresentar um lance, informe-se sobre todas as condições e requisitos. Caso outro participante proponha um valor maior do que o seu, você pode se organizar novamente para participar no próximo mês.

O que acontece em caso de atraso?

Manter o pagamento da parcela do consórcio em dia é fundamental para a sua saúde financeira. O atraso ou o abandono dos pagamentos faz com que você perca um dos principais benefícios desse serviço: a possibilidade de se organizar sem pesar o orçamento com taxas de juros. Entretanto, sabemos que algumas vezes a realidade brasileira pode atrapalhar os planos.

Para evitar atrasos e problemas financeiros, o aconselhado é sempre se planejar corretamente antes de fechar negócio. Tenha a certeza de que a parcela do consórcio cabe no seu bolso. As empresas trabalham com diversas opções de cotas — por isso, procure a que melhor se encaixa nas suas possibilidades de gastos.

O que pode acontecer em casos de atraso nas parcelas? Como todo contrato financeiro, o participante está exposto ao pagamento de multas e juros quando paga a mensalidade com atraso. Essas informações devem constar em contrato. Qualquer dúvida, você pode entrar em contato com a empresa administradora e esclarecer.

O valor da parcela pode ser revisto?

Pode acontecer de o participante enfrentar dificuldades maiores na vida e passar por mais do que um atraso de alguns dias no pagamento da parcela. O que fazer quando acontecem imprevistos sérios, como a perda da fonte de renda, e você não consegue mais arcar com o valor do seu consórcio?

O ideal é nunca parar de pagar a cota abruptamente. Isso pode fazer com que você perca a contemplação já recebida ou seja impedido de receber a carta de crédito. Os consorciados inadimplentes perdem o direito de participar das assembleias e podem até mesmo ser excluídos do grupo.

Por isso, sempre procure a administradora para negociar mudanças no pagamento. É possível que a empresa aceite trocar sua cota por uma de menor valor ou parcelar novamente os valores atrasados. Em último caso, você tem a possibilidade também de transferir sua cota para outra pessoa.

Neste post, esclarecemos as principais dúvidas sobre o cálculo e o pagamento da parcela do consórcio. Depois de obter essas informações, você está pronto para aproveitar as vantagens de uma compra programada.

Ficou interessado e quer saber mais sobre o consórcio? Então aproveite para conhecer 8 dicas para acertar na escolha de uma boa administradora de consórcio!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *