Guia da estabilidade financeira: o passo a passo para conquistá-la

Lidar com dinheiro não é tarefa simples. Fazer o salário durar até o final do mês, pagar todas as contas em dia e ainda economizar para momentos de lazer e reservas de longo prazo é o desafio de muitos brasileiros. Para alguns, essa conta parece impossível de fechar.

Conquistar a estabilidade financeira e viver confortavelmente com o que se ganha no trabalho é um grande sonho. Às vezes ele se distancia, como em épocas de crise econômica. Ainda assim, com estudo e esforço é possível desenvolver hábitos financeiros saudáveis e equilibrar as contas.

Você quer saber como fazer isso? Acompanhe nosso post e tenha informações completas para mudar seu comportamento em relação ao dinheiro e caminhar rumo à estabilidade e independência financeira. Vamos lá?

O que é estabilidade financeira?

Esse conceito significa um estado de equilíbrio e segurança na relação entre renda e sustento. Ou seja, as pessoas vivem essa realidade quando conseguem administrar seu dinheiro e sustentar a família com tranquilidade. A verdadeira estabilidade existe quando você consegue desfrutar de sua renda, sem estar constantemente preocupado com as contas.

Infelizmente, essa não é uma situação que a maioria dos brasileiros consegue viver. No nosso país, o endividamento é uma realidade comum. Muitas pessoas têm sua renda achatada por uma série de parcelas, empréstimos e financiamentos. Assim, não têm uma relação equilibrada com o dinheiro e vivem angustiadas.

Conquistar a estabilidade financeira é fundamental para ter qualidade de vida. Afinal, como viver bem se você está sempre se questionando se vai ter dinheiro para pagar tudo o que deve? Para ter uma rotina alegre e satisfatória, é preciso garantir que sua renda seja suficiente para suas necessidades.

Além disso, a estabilidade é muito importante para seu crescimento profissional e, futuramente, para uma rotina confortável na aposentadoria. No começo da carreira, é normal receber salários mais baixos e ter condições de trabalho mais difíceis. Mas, aos poucos, as pessoas se capacitam, se esforçam e conquistam cargos melhores e com maior remuneração.

Saber administrar o dinheiro nas diversas fases da vida é o que gera a estabilidade. Com inteligência financeira, você se prepara para enfrentar os desafios e consegue se manter equilibrado mesmo quando as condições externas não são favoráveis. Alguém financeiramente estável não sofre impactos tão fortes quando o país passa por uma crise, por exemplo.

Que hábitos constroem a estabilidade financeira?

Com comportamentos simples é possível mudar a forma como você lida com o dinheiro. Estabilizar suas finanças não é uma atitude complicada, mas exige organização e disciplina. Veja, a seguir, alguns hábitos que você pode adotar agora mesmo para construir sua estabilidade financeira.

Organize suas receitas e custos

O primeiro passo para administrar melhor seu dinheiro é ter tudo organizado. Registrar as suas fontes de renda e os seus gastos mensais é essencial para que você saiba o que está entrando e saindo da sua conta. Afinal, não há como garantir a estabilidade sem saber exatamente quanto dinheiro você tem e para onde ele está indo.

Há várias ferramentas disponíveis para fazer esse registro. As pessoas mais tradicionais preferem um bom e velho caderno, mas quem tem facilidade em usar a tecnologia pode fazer uso de planilhas de computador ou aplicativos de celular. A vantagem desses últimos é que eles permitem diferentes análises — dividindo os gastos por categoria e somando automaticamente, por exemplo.

O hábito do registro possibilita que você organize melhor as suas finanças e ajuda até mesmo a deixar todos os pagamentos em dia. Dessa forma, você acompanha as datas de vencimento e evita pagar juros por atrasos. Além disso, é possível refletir sobre seus gastos e identificar aqueles que podem ser cortados ou minimizados.

Lembre-se: você não deve registrar apenas as suas despesas fixas, como contas da casa e impostos. Todos os custos devem ser acompanhados. Na maioria das vezes, são os gastos pequenos e flexíveis que mais atrapalham o controle de finanças. Pode ser difícil fazer esse acompanhamento no começo, mas com o tempo o hábito se consolida.

Torne-se um planejador

Não basta registrar seus custos e identificar com o que o seu dinheiro está sendo gasto. Para alcançar a estabilidade financeira, você também precisa começar a se planejar! Depois de mapear seu orçamento mensal, analise as anotações e aprenda a fazer um controle mais inteligente.

Comece vendo se algum custo fixo pode ser cortado. Depois, observe os gastos imprevistos, reveja seus padrões e passe a planejar suas compras. Se um valor significativo está sendo gasto com saídas de lazer, por exemplo, vale a pena fazer um planejamento e colocar um teto de gastos para essa categoria.

Outra dica interessante é se organizar para compras maiores. Em vez de fechar uma viagem ou comprar um grande presente de última hora, é preferível que você se planeje para esses gastos com antecedência. Atitudes desse tipo mantém seu equilíbrio financeiro e evitam que você fique sem dinheiro ou acabe se endividando.

Tenha disciplina

Infelizmente, conhecer o passo a passo não é suficiente para garantir uma estabilidade financeira. Esse conhecimento, sem o seu esforço e constância, não pode fazer nenhum milagre. Organizar as finanças e controlar o consumo desenfreado é um desafio diário. A boa notícia é que ele vai ficando mais fácil a cada dia.

Para ajudar a fortalecer sua disciplina, passe longe de tentações. Se você acha difícil ir ao shopping sem comprar muitas coisas ou sair com amigos sem exagerar no consumo, minimize os riscos. Siga algumas dicas, como diminuir a frequências desses programas, sair com um valor limitado de dinheiro e não levar o cartão de crédito.

Essas estratégias são úteis enquanto você cria o hábito do controle financeiro. Mas tenha cuidado: para que a disciplina não se torne uma tarefa insuportável, não deixe de lado os gastos com lazer. O seu orçamento precisa incluir valores razoáveis para manter esses momentos.

Saiba o que é importante para você

Para planejar suas finanças é fundamental que você se conheça e saiba quais são seus gastos essenciais. Não é incomum que as pessoas cometam o erro de incluir no orçamento apenas os custos fixos, cortando todos os supérfluos. Entretanto, a consequência é negativa. Afinal, ninguém consegue se manter nesse nível de sacrifício por muito tempo.

Claro que é preciso economizar, mas a qualidade de vida deve ser mantida. Por isso, o que é considerado supérfluo é muito pessoal — um futebol com os amigos, por exemplo, não faz parte dessa categoria se você considera essa uma atividade indispensável. Para manter sua satisfação e facilitar o controle financeiro, não corte esses gastos variáveis. Apenas estabeleça um limite para eles.

Comece o mais cedo possível

Muitas pessoas deixam para se preocupar com estabilidade financeira no futuro. Algumas acreditam que só conseguirão se organizar quando ganharem muito dinheiro. Outras consideram esse um trabalho árduo e resolvem deixar para depois. Há ainda aquelas que acham que o controle financeiro é coisa para pensar apenas quando formarem família ou quando estiverem aposentados.

Na verdade, quanto mais cedo você encarar esse desafio, melhor! Um estudante que organiza suas finanças com o salário do estágio, por exemplo, já está dando importantes passos rumo a uma vida mais confortável. Assim, é completamente viável poupar e investir dinheiro mesmo quando se ganha pouco.

A constância de suas ações vai ser mais importante do que os valores que você consegue juntar. Mesmo montantes pequenos de dinheiro vão fazer muita diferença daqui a alguns anos ou décadas.

Defina metas

Um planejamento fica mais fácil de ser cumprido quando está organizado em metas e objetivos claros. Definir que você vai juntar R$ 100,00 todos os meses para uma viagem de fim de ano é bem diferente de pensar de forma genérica “preciso guardar dinheiro”, não é?

Por isso, a dica para se motivar é listar seus planos no curto, médio e longo prazo. Depois disso, transforme cada plano em metas possíveis. Por exemplo: se você quer trocar de carro daqui a 3 ou 4 anos, quanto precisa economizar por mês a partir de hoje?

Com essa organização, você consegue fazer planos com o dinheiro que vai sobrar depois que nossas dicas de economia forem colocadas em prática. Isso evita que esse valor seja gasto assim que surgir um imprevisto ou um desejo de consumo. Se você souber a razão de estar poupando dinheiro, fica mais fácil manter a economia.

Tenha uma reserva de emergência

Antes de poupar dinheiro para seus planos, é importante construir uma reserva de emergência. O objetivo dela é oferecer segurança nos momentos de aperto financeiro. Ela pode ser usada caso você perca o emprego, por exemplo.

É recomendado que essa reserva tenha, pelo menos, um valor referente a 6 meses do seu custo de vida. Dessa forma, você terá a segurança de alguns meses para reorganizar suas finanças depois de passar por algum evento extremo. Para que isso funcione, tenha a disciplina de utilizar esse valor apenas em emergências — repondo logo que possível.

Modifique seu padrão de consumo

Você já reparou que várias pessoas conseguem ter uma vida agradável gastando muito pouco? O que elas fazem de diferente? Observar o comportamento e o consumo de outros indivíduos é uma maneira interessante de aprender sobre finanças. Provavelmente, no seu grupo de amigos existem pessoas que gastam muito e outras mais econômicas.

Diminuir o padrão de consumo é um ótimo caminho para economizar. Na maioria das vezes, é possível fazer isso sem mudanças drásticas. Cancelar ou reduzir serviços que você não utiliza muito, como TV por assinatura ou plano de telefone, é um exemplo. Preferir cozinhar em vez de comer fora é outra dica para economizar bastante.

Os momentos de lazer também podem ficar mais baratos. Preparar a casa para receber os amigos sai bem mais em conta do que ir a um restaurante. Reunir a família para assistir a um filme também é mais econômico do que uma ida ao cinema. Percebe como pequenas mudanças podem fazer muita diferença, sem prejudicar sua felicidade?

Evite ou elimine as dívidas

As orientações que demos até aqui ajudam você a economizar e ver mais dinheiro sobrando no final do mês. Mas quem já está endividado precisa traçar um plano de ação específico para se livrar dos juros e começar a administrar seu dinheiro de forma saudável.

Por isso, a primeira dica é: não aumente suas dívidas. Nunca deixe de pagar seu cartão de crédito e nem pague o valor mínimo da fatura. Não se comprometa com parcelas acima das suas possibilidades financeiras e nem peça empréstimos ou entre em financiamentos — eles cobram altos valores de juros.

Se você não seguiu essas dicas a tempo e já está endividado, calcule tudo o que está devendo e negocie. Analise quais são as condições para pagamento à vista e novo parcelamento. Algumas vezes, vale a pena pedir um empréstimo para quitar tudo, pois ele pode ter juros menores do que os que incidem sobre a sua dívida.

Por maior que o seu endividamento pareça agora, tente não se desesperar. Procure uma negociação com a qual você possa se comprometer e dedique-se a quitar o valor. Pode demorar um pouco, mas essa é uma caminhada necessária para que você organize seu orçamento e conquiste a estabilidade financeira.

Construa patrimônio

Investir seu dinheiro na compra de bens duráveis é uma escolha inteligente. Muitas pessoas têm o lado financeiro desorganizado porque estão sempre comprando produtos de marcas famosas, comendo em restaurantes caros ou fazendo grandes viagens. Com isso, não sobra dinheiro para adquirirem uma casa ou apartamento, por exemplo.

Cada vez mais, os jovens estão vendo a importância de aliar as experiências ao acúmulo de bens duráveis. Ter um veículo ou um imóvel, além de agregar estabilidade, pode ser uma fonte de renda. Assim, prefira alocar seus recursos em produtos que vão ser seus por muito tempo.

Entretanto, precisamos lembrar que essas aquisições devem ser feitas de maneira responsável. Não vale a pena comprometer todo o orçamento para comprar um carro, por exemplo. Uma ótima maneira de planejar essa compra é por meio do consórcio — você se organiza, paga parcelado e não encara juros.

Como conquistar a independência financeira?

Além do conceito de estabilidade, existe um status de conforto ainda maior. É o da independência financeira. Mais do que ter uma renda estável e viver de forma satisfatória com ela, uma pessoa independente é aquela que não precisa se manter trabalhando para custear seu padrão de vida.

Isso mesmo! Algumas pessoas são capazes de viver bem mesmo deixando o trabalho, e não estamos falando de quem já se aposentou. Parece uma realidade muito distante? Pois saiba que depois de conquistar a estabilidade, você pode sim sonhar em construir sua independência no futuro. Quer saber como? Veja os passos a seguir!

Economize

Não poderíamos iniciar com outra dica, não é mesmo? Na verdade, o caminho para a independência financeira é muito semelhante ao passo a passo que você vai seguir para chegar à estabilidade. Com conhecimento sobre o assunto e constância nas ações, é possível construir um futuro cada vez mais confortável.

Por isso, continue economizando e se comprometa de verdade com seus novos padrões de consumo. Corte os gastos impulsivos, planeje suas compras e avalie constantemente as suas despesas. Quando a economia se torna, de fato, um hábito, o seu olhar se aguça e essas ações ficam naturais.

É uma ilusão pensar que quem já conquistou a estabilidade financeira deixa de economizar ou procurar os melhores preços. Na verdade, muitas pessoas que construíram sua riqueza compartilham dicas que reforçam essa questão. Você provavelmente já ouviu falar de algum grande empresário que nunca deixou de pedir descontos, não é?

Isso não é uma característica de pessoas excêntricas. Ter inteligência financeira é saber avaliar o custo-benefício e buscar sempre as melhores condições. Assim, o seu dinheiro passa a valer muito mais! Pesquisar preços, buscar parcerias vantajosas e planejar os gastos são estratégias usadas não só para gerar riqueza, mas também para mantê-la.

Tenha foco no futuro

Sem dúvida, a independência financeira não é um plano de curto ou médio prazo. Ela é um objetivo de vida. Provavelmente você não vai conquistar essa realidade nos meses seguintes ou daqui a 10 anos, mas pode chegar nesse ponto nas próximas décadas.

Parece muito distante? Isso não é motivo para desistir. Ao contrário, é razão para se motivar ainda mais. Imagine a qualidade de vida que você pode ter no futuro, quando não estiver dependendo da aposentadoria do governo! Quando a independência chegar, você não vai precisar nem mesmo esperar o tempo definido para se afastar do mercado de trabalho.

Quanto mais cedo você começar seu planejamento rumo à independência financeira, mais cedo esse sonho se realizará. Assim, foque nos benefícios que as suas ações trarão no futuro. O seu trabalho pode oferecer estabilidade hoje, mas a inteligência financeira possibilitará vantagens ainda maiores para os próximos anos.

Estude e invista seu dinheiro

A independência financeira provavelmente não vai chegar se você se limita a juntar dinheiro na poupança. Quem tem objetivos mais ousados para o futuro precisa conhecer os diferentes tipos de investimento e estudar bastante sobre economia e finanças pessoais. Esses conhecimentos vão ajudar você a potencializar as reservas e multiplicar sua renda.

Calma, não é preciso se tornar um especialista no tema. É possível encontrar orientações simples e de fácil acesso. A internet é um bom exemplo de fonte de informação. Além disso, você pode ler sobre o assunto em livros, fazer cursos ou contratar consultores que trabalhem nessa área.

Um investimento simples e de baixo risco é o consórcio, que já citamos neste post. Ele é uma ótima opção para quem está começando a entender sobre assunto, mas ainda não desenvolveu a disciplina de separar um valor todos os meses. Pagando uma cota de consórcio, você junta dinheiro e aumenta o seu patrimônio de forma planejada.

Em outras opções de investimento você passa a receber juros pelo dinheiro que investe. E não estamos falando de alternativas arriscadas. Algumas modalidades são tão seguras quanto a poupança. É o caso dos títulos do Tesouro Direto (pelos quais se investe no Governo Federal) e da renda fixa privada (um investimento em bancos e instituições financeiras).

À medida que você se aprofundar no assunto e sentir segurança para correr riscos maiores em busca de mais rendimento, será possível investir em opções como a bolsa de valores. Nela, seu dinheiro pode multiplicar muito mais rápido, mas é preciso calcular os perigos. A orientação é que apenas uma pequena parte do seu montante seja investida nessa modalidade.

Aumente a sua renda

Para realizar o sonho da estabilidade financeira e da independência, você não pode se contentar com o salário que recebe hoje. A velocidade com que seus projetos são concretizados é proporcional a quanto você consegue poupar e investir. Por isso, buscar formas de aumentar sua renda é sempre uma boa ideia.

Há diversos caminhos para isso: você pode se especializar e conseguir aumento de salário ou vagas melhores de emprego, buscar rendas extras para complementar seu orçamento ou começar o próprio negócio. Quem escolhe empreender aumenta muito suas chances de enriquecimento, já que rompe com as limitações salariais de um emprego formal.

Se a sua situação atual não possibilita crescimento imediato, procurar trabalhos extras ou se tornar um freelancer são opções para ampliar a renda temporariamente. Você pode conseguir mais dinheiro vendendo produtos, dando aulas, oferecendo serviços de consultoria na sua área ou mesmo fabricando alguma coisa — como doces, artesanato etc.

Assim, trace sempre novos objetivos profissionais. Seja na sua área atual ou em outra profissão, invista em educação e se torne mais preparado para o mercado competitivo. Os seus esforços de capacitação se traduzem em novas oportunidades de atuação e aumentos salariais.

A estabilidade financeira não é um objetivo inalcançável. Seguindo nosso passo a passo, você conseguirá fazer seu dinheiro render. Pode até mesmo sonhar mais alto, almejando a independência financeira no futuro. Coloque essas orientações em prática o quanto antes e aproveite os benefícios de uma relação saudável com suas finanças.

E então, o que achou deste post? Está motivado para mudar sua realidade e viver com mais equilíbrio e qualidade de vida? Se você quer mais dicas de organização financeira e investimentos, assine nossa newsletter e acompanhe nossas publicações. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *