Passo a passo: saiba como escolher o consórcio ideal

Muita gente vem deixando o financiamento de lado devido às altas taxas de juros aplicadas nessa modalidade. Com a consciência do consumo, vem a alternativa inteligente e uma dúvida comum: como escolher o consórcio ideal para o seu perfil?

Essa resposta depende de diferentes fatores. É preciso analisar os prazos e condições de pagamento, optar por uma empresa confiável e estar atento às cláusulas contratuais. Tudo isso também deve ser aliado às suas expectativas.

Então, como saber o que é melhor? É o que vamos apresentar neste post. Para ajudá-lo a fazer a melhor escolha, abordaremos os seguintes tópicos:

  • seleção do consórcio certo;

  • pesquisa sobre a administradora;

  • leitura atenta do contrato;

  • atenção ao valor das parcelas;

  • existência de prêmios e benefícios;

  • seleção do prazo que se encaixa à demanda;

  • possibilidades de lances;

  • forma de contemplação.

Então, que tal se aprofundar sobre esse conhecimento? É só acompanhar o passo a passo que preparamos para você. Confira!

Pesquise antes de escolher o consórcio certo

A primeira dica deste post é analisar os critérios das opções disponíveis para definir o consórcio mais adequado para a sua realidade. De modo geral, essa modalidade é bastante positiva, porque você paga parcelas mensais que são direcionadas para um fundo comum.

Quando você é contemplado, recebe a sua carta de crédito e tem o direito de adquirir o seu bem, que pode ser um carro, um apartamento, um equipamento etc. Esse processo, a princípio, parece simples. No entanto, é necessário tomar alguns cuidados para evitar imprevistos.

Mas, então, o que deve ser avaliado? Confira os principais itens:

Promessas verbais

O consórcio possui um contrato que apresenta todas as cláusulas que regem essa negociação. Isso significa que qualquer promessa verbal feita pelo representante da administradora deve estar contemplada nesse documento. Caso contrário, não será válida.

Esteja atento às cláusulas contratuais e tire todas as dúvidas que tiver. Lembre-se de analisar bem os direitos e deveres da administradora e do consorciado, porque, em caso de problemas, são esses aspectos que vão determinar se você tem razão.

Promessas de propagandas

Esse caso é o mesmo do anterior. É comum que as propagandas tenham as famosas “letrinhas pequenas”, que detalham informações relevantes e que podem mudar o cenário para o consorciado. O ideal é verificar se o contrato especifica as promessas de propagandas. Se isso não acontecer, questione o representante.

Detalhamento do grupo

A escolha pelo consórcio ideal fará com que você faça parte de um grupo, que pode estar começando (em fase de implantação) ou em andamento. Em qualquer um dos casos, é preciso verificar em contrato os seguintes aspectos:

  • crédito;

  • percentual de contribuição;

  • despesas;

  • prazo de duração;

  • tipos de seguros exigidos;

  • garantias que devem ser fornecidas na contemplação.

Avalie, ainda, de que forma é possível antecipar o pagamento das prestações, obter crédito de maior ou menor valor antes da contemplação etc. Caso o grupo já esteja em andamento, também é importante solicitar um extrato para ter certeza de que os sorteios estão acontecendo conforme o previsto em contrato.

Planejamento financeiro

Essa é uma dica para você, mas que pode impactar o andamento do consórcio. Afinal de contas, se você não fizer um planejamento financeiro, pode não ser possível pagar todas as parcelas — e a inadimplência evitará que você seja contemplado.

Analise todas as suas receitas e despesas e anote os pagamentos e recebimentos em uma planilha ou aplicativo financeiro pessoal ou empresarial, conforme for o caso. Verifique se é possível guardar dinheiro e se o valor da parcela cabe no seu orçamento. Assim, você terá mais segurança nesse investimento.

Faça uma pesquisa cuidadosa sobre a administradora

A próxima etapa é avaliar a empresa que administra o consórcio. Ela pode ser independente ou fazer parte de um grupo maior. A diferença é que, no segundo caso, há mais segurança, já que há uma consolidação maior do empreendimento.

Esse é um dos aspectos que podem ser avaliados. No entanto, há vários outros indicadores de que a administradora é de confiança. Veja os principais:

Autorização do Banco Central

As modalidades de consórcio devem ser autorizadas pelo Bacen. Caso contrário, não há possibilidade de a administradora vender as cotas dos grupos disponíveis. Essa questão está regulamentada pela Lei 11.795/2008, que dispõe sobre esse tipo de sistema.

No site do Bacen estão disponíveis as administradoras autorizadas a funcionar, o ranking de empresas por índice de reclamações, bancos de dados sobre consórcios e muito mais. Também são apresentadas empresas que não podem formar novos grupos e qual a situação delas por segmento.

Outra indicação é fazer uma consulta no site da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC), que apresenta uma lista das empresas parceiras. Apesar de a validade maior ser do Bacen, essa análise aumenta sua segurança.

Site transparente

Um bom indicativo de que a empresa é confiável é a transparência tanto do seu site quanto da relação da administradora com os consumidores. Se o representante, por exemplo, prometer algo que não está especificado em contrato, atenção! Você poderá ter surpresas desagradáveis.

Analise o site e verifique as informações disponibilizadas. O recomendado é que estejam detalhados diferentes dados — como contemplações do grupo, extrato da cota, datas das assembleias, segunda via do boleto etc. Isso deve estar passível de acesso durante 24 horas por dia.

Lembre-se de fazer uma varredura na internet para ver o que os consumidores falam sobre a empresa. Sites como o Reclame Aqui são um bom parâmetro nesse sentido.

As redes sociais também são uma boa fonte de informação. Acessar os perfis da administradora e ver o que é postado, se os consumidores são respondidos etc. é outra atitude recomendada.

Outros consorciados

As pessoas que são consorciadas ou já adquiriram uma cota são uma boa fonte de informação. Converse com elas, veja se já tiveram problemas com a administradora ou se tudo correu bem. Dependendo da resposta, você tem uma ideia da confiabilidade da empresa.

Leia o contrato com atenção máxima

Encontrou o grupo ideal e uma administradora confiável? Chegou a hora de fechar negócio. Porém, antes disso, é preciso analisar o contrato com atenção para assiná-lo e, então, participar de um consórcio de modo efetivo e ter direito aos lances e sorteios.

Esse é o documento que apresenta todas as cláusulas que regem a negociação entre a administradora e o consorciado. Ali estão especificados os direitos e deveres, bem como os detalhes que devem ser observados ao longo de sua duração, como valor das parcelas, taxas cobradas, prazos e o que ocorre em caso de inadimplência.

Os itens obrigatórios no contrato — e com os quais você deve ter atenção redobrada — são:

  • identificação das partes contratantes (administradora e você, consorciado);

  • valor da taxa de adesão (que pode ser nula);

  • descrição do crédito;

  • garantias necessárias após a contemplação para utilizar a carta de crédito;

  • percentual da taxa de administração;

  • prazo de duração do contrato;

  • possibilidade de antecipar o pagamento das parcelas.

Não é necessário contar com a ajuda de um advogado para analisar o contrato. Você mesmo pode — e deve — verificar todas as cláusulas. Em caso de dúvidas, questione o representante com o qual está em contato.

Evite, também, assinar o documento rapidamente, sem fazer uma leitura apropriada dele. Esse é o modo mais adequado de ter certeza de todos os detalhes relevantes.

Fique atento ao valor das parcelas

A forma de pagamento e o reajuste das parcelas são dois itens que precisam ser analisados. Em relação ao primeiro ponto, é importante observar que a administradora do consórcio pode fornecer diferentes modos de quitação dos valores. Os dois modelos mais comuns são as parcelas lineares e as parcelas decrescentes.

Parcelas lineares

O valor pago mensalmente é similar todos os meses durante todo o prazo de validade do consórcio. Essa é uma modalidade interessante para o consorciado, porque ele sabe, até o final do período, quanto terá que desembolsar mensalmente. Assim, fica mais fácil planejar o orçamento pessoal.

Parcelas decrescentes

Nesse caso, começa-se pagando um valor mais alto, mas elas diminuem com o passar dos meses. É vantajoso para pessoas que têm um bom nível de renda atualmente e preferem pagar mais no início para ter mais tranquilidade no futuro.

A definição do melhor modelo deve ser feita por você. O que pode ocorrer é ter uma dificuldade maior para encontrar administradoras que ofereçam parcelas decrescentes, já que o modelo mais comum é o linear.

Reajuste das parcelas

As quantias mensais do consórcio podem ser reajustadas — e você deve saber desse detalhe. Esse é um dos pontos principais na hora de definir a melhor opção e evitar surpresas ao longo do processo.

Pergunte para a administradora e verifique seu detalhamento no contrato e no regulamento do consórcio. Como não há pagamento de juros nessa modalidade, o reajuste é feito por meio da atualização do valor do bem, cuja determinação é feita pelo fabricante.

Por exemplo: se você comprar uma cota de veículos, a sua carta de crédito estará atrelada a um modelo específico, como o Volkswagen Gol Trendline 1.0. Se esse bem vale hoje R$ 35 mil e, no decorrer do consórcio, for reajustado para R$ 36,5 mil, as parcelas sofrerão reajuste proporcional.

Essa medida é adotada para que o poder de compra seja mantido. Por outro lado, não significa que você precise adquirir exatamente o modelo especificado na carta de crédito. Na hora da contemplação, você pode decidir comprar qualquer outro veículo, de maior ou menor valor que o Gol, no caso do exemplo apresentado.

Outras taxas

A parcela é acrescida de outras taxas de consórcios, como as relativas à administração e ao fundo de reserva. No primeiro caso, o pagamento é feito devido à gestão do grupo de consorciados. O percentual aplicado deve ser informado em contrato, mas não há limite de acordo com a legislação.

Em relação ao segundo ponto, a serventia é a cobertura de imprevistos — que precisam ser detalhados no contrato —, por exemplo: manutenção do grupo mesmo em situação de inadimplência ou desistência dos cotistas.

O valor e o percentual do fundo de reserva também variam de acordo com a administradora e as características do contrato, como o prazo de pagamento e a quantidade de participantes do grupo.

Por fim, observe que o atraso no pagamento das prestações faz com que você deixe de participar dos sorteios e, portanto, não há possibilidade de ser contemplado. Também podem ser aplicadas outras sanções. Por isso, vale a pena atentar a essa informação no contrato.

Verifique a existência de prêmios e benefícios

Algumas administradoras oferecem prêmios e benefícios para seus consorciados. Essa é mais uma vantagem para o cotista, que pode receber até valores em dinheiro.

A possibilidade de ganhar prêmios e outros tipos de benefícios deve estar indicada em contrato. Cada administradora determina o que será fornecido e em quais situações. Por isso, é necessário analisar cada caso de modo independente. Mesmo assim, é sempre vantajoso receber algo extra, que vá além do simples pagamento das parcelas, certo?

Um exemplo disso é o Grupo Premiado, do Consórcio Minasmáquinas. A modalidade foi lançada recentemente e oferece diversas vantagens, como:

  • taxa reduzida, de 0,13% ao mês;

  • prazo de pagamento diferenciado, de até 100 meses;

  • R$ 1 mil de combustível para todas as cotas contempladas;

  • sorteios mensais de R$ 10 mil.

É claro que, para ter a possibilidade de ganhar esses prêmios e benefícios, é preciso cumprir alguns critérios, por exemplo, manter os pagamentos em dia. De toda forma, é mais uma chance de obter vantagens com essa modalidade.

Escolha o prazo que se encaixa em sua demanda

O valor das parcelas é relevante, mas o prazo também é uma informação que precisa ser considerada. O tempo de pagamento faz toda a diferença no montante que deve ser pago mensalmente. Ou seja, os dois fatores estão diretamente relacionados.

Isso significa que, quanto maior for o tempo de duração do consórcio, menor será a parcela. Essa medida é interessante para quem não tem como desembolsar uma quantia muito alta todos os meses. No entanto, a contemplação e a efetiva aquisição do bem podem demorar mais.

Para quem tem a chance de pagar um valor mais alto, uma boa ideia é fazer um contrato de prazo mais curto. Desse modo, mesmo que não seja sorteado, conseguirá obter o bem mais rapidamente.

O ideal é verificar a sua possibilidade atual de acordo com seu orçamento. Se no futuro você conseguir guardar dinheiro, veja se pode amortizar o valor ou a quantidade de parcelas para reduzir o prazo de pagamento.

Lembre-se de que essa é uma dívida de médio a longo prazo e ela só deve ser realizada se o valor que você recebe hoje for suficiente. Descobrindo o montante que pode ser pago todos os meses, você define o prazo. Dessa maneira, evita-se a inadimplência e possíveis imprevistos financeiros para o seu orçamento.

Entenda as possibilidades de lance

A contemplação pode ocorrer de 2 maneiras: por sorteio ou lance. Ambas as modalidades ocorrem no mesmo dia, pelo menos uma vez por mês. No primeiro caso, você precisa contar com a sorte. No entanto, é a modalidade principal, tendo prioridade sobre a segunda.

Já o lance é uma maneira de antecipar a obtenção da carta de crédito. O objetivo é oferecer um valor que será pago caso seja escolhido. Assim, pode-se comprar o bem antes do prazo. A seleção é feita de acordo com a proposta mais elevada.

Os tipos de lance existentes são:

Embutido

O consorciado não paga o valor ofertado, mas utiliza uma parte do valor de sua carta de crédito. Geralmente, a administradora permite utilizar entre 10% e 20% do total para essa antecipação.

Na prática, o que ocorre é o seguinte: se a sua carta de crédito é de R$ 500 mil, você pode fazer um lance embutido de 10%, correspondente a R$ 50 mil. Caso seja selecionado, o total recebido para a compra do bem será de R$ 450 mil.

Livre

Esse modelo é o mais comum, no qual o consorciado oferece o valor de lance e antecipa determinado número de parcelas. Por exemplo: o seu lance pode ser de R$ 50 mil para uma carta de crédito de R$ 500 mil. Então, 10% das cotas são amortizadas.

Se houver empate no lance livre, as propostas que participaram e tiveram o valor mais alto passam por um sorteio para que a vencedora seja definida.

Fixo

A administradora é quem determina o percentual mínimo de parcelas a serem antecipadas nessa modalidade de lance. Nesse caso, por exemplo, pode ser determinado 20% do valor da carta de crédito. Se a sua tiver total de R$ 500 mil, a oferta precisa ser de R$ 100 mil. Se o montante for de R$ 200 mil, a proposta é de R$ 40 mil.

Quem decidir fazer parte do lance fixo participa de um sorteio especial, que conta com menor número de pessoas e, por consequência, aumenta a chance de contemplação.

Vale a pena observar que existem algumas dicas que elevam suas possibilidades de ter o lance contemplado. É o caso das propostas feitas no início do ano, mais especificamente nos meses de fevereiro e março, quando as pessoas têm menos dinheiro no bolso devido aos pagamentos que incidem nesse período, como matrículas escolares, IPVA, IPTU, entre outros.

Por outro lado, deixar para dar o lance no final do ano é um mau negócio. Esse é o momento em que a maioria das pessoas recebe o 13º salário e férias, o que significa que há mais dinheiro na conta. Portanto, haverá mais ofertas e será mais difícil ganhar a concorrência.

Compreenda se a forma de contemplação atende suas necessidades

Ser sorteado ou vencer o lance permite que você obtenha sua carta de crédito e, portanto, possa adquirir o bem que tanto espera. Mesmo assim, é necessário avaliar se tudo está de acordo com as suas necessidades.

Você já entendeu como funcionam os diferentes tipos de lance. O sorteio, por sua vez, é feito com um globo esférico, do qual são retiradas 10 bolas. A última representa o número sorteado, e as restantes ficam como reserva.

A parte negativa do sorteio é que você deve contar exclusivamente com a sorte. Já no lance tudo depende da oferta que você fizer.

Assim que for contemplado, o dinheiro ficará disponível, e você não precisará utilizá-lo imediatamente. Caso opte por deixar a carta disponível para a administradora, o valor será aplicado e poderá haver rendimentos a seu favor.

Outro detalhe importante é que o valor do crédito pode ser recebido em dinheiro até 180 dias depois da sua contemplação. A exigência é que o saldo devedor esteja totalmente pago. O dinheiro também pode ser recebido em espécie no prazo de 60 dias depois da data da última assembleia, ou seja, após o encerramento.

Na preferência por ser contemplado e usar o dinheiro para a compra do bem, o que você deve verificar é a sua necessidade. Precisa adquiri-lo rapidamente e tem dinheiro disponível? Oferte um lance. Isso aumenta muito suas chances de contemplação e ainda amortiza uma parte das parcelas.

Não tem dinheiro e pode esperar? Opte pelo sorteio. Sua carta de crédito manterá o poder de compra e você poderá adquirir um veículo, por exemplo, mais recente e que possui maior valor de mercado.

É importante mencionar que, no caso de ser contemplado rapidamente e utilizar a carta de crédito, as parcelas restantes serão reajustadas do mesmo modo, exceto se você quitar o saldo devedor.

Como você pôde perceber, a escolha do consórcio ideal envolve diferentes fatores. Alguns deles estão relacionados às suas necessidades, enquanto outros restringem-se ao grupo e à administradora dessa modalidade.

Aproveite e siga as dicas que repassamos ao longo deste post para você fazer uma escolha mais acertada. Pesquise sobre os grupos, a administradora e leia o contrato com toda atenção.

Lembre-se de avaliar o prazo e valor das parcelas e aliar essas questões ao seu orçamento pessoal. Veja, também, se há prêmios e benefícios e, por fim, entenda as formas de contemplação. É assim que você terá mais sucesso ao longo de todo o seu período como consorciado!

E você, já aprendeu a escolher o consórcio mais indicado para a sua situação? Aproveite para se aprofundar no assunto e verificar quando o consórcio vale a pena!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *