Peças originais x paralelas: entenda quais são as diferenças

A rotina de manutenções é essencial para manter o bom funcionamento dos veículos e evitar problemas com a frota durante o transporte. Independentemente da estratégia adotada pelo gestor — preventiva, corretiva, ou ambas —, é certo que, em muitos casos, a reposição de peças será necessária.

No post de hoje, vamos falar sobre uma questão muito importante: o uso de peças originais e paralelas. Continue com a leitura e saiba mais sobre o assunto!

Quais as diferenças entre peças originais e paralelas?

Quando falamos de peças, nos referimos aos itens que são usados para repor uma troca quando uma manutenção é feita. Nesse sentido, o gestor tem a opção de usar peças originais ou paralelas.

No entanto, é preciso ter a consciência de que existem diferenças entre elas que podem, inclusive, comprometer a segurança do motorista e de outras pessoas no trânsito. Veja:

Peças originais

Também são chamadas de “peças genuínas”. São aquelas produzidas pelas montadoras dos veículos e passam por um processo rigoroso de auditoria, que visa atestar a qualidade dos itens antes de enviá-los para o mercado.

São as mesmas utilizadas na montagem de veículos novos, feitas com os mesmos materiais. Elas passam pelo processo de fabricação e são submetidas a testes para certificar sua qualidade, podendo ser compradas em concessionárias autorizadas.

A montadora garante que esses itens são adequados para satisfazer as necessidades do caminhão, já que possuem o mesmo padrão que sai de fábrica quando o veículo é vendido. Ou seja, ela oferece a garantia de que o item é recomendado para a marca e o modelo em questão.

Peças paralelas

Já as peças paralelas — também chamadas de “genéricas” —, por sua vez, são produzidas por outros fabricantes. Também são itens de reposição e se espera que funcionem e tenham a mesma durabilidade que as originais.

Normalmente elas são mais baratas do que as peças genuínas e é possível encontrá-las em diversas lojas, com um preço mais acessível, mas também com uma qualidade questionável.

Contudo, como em todas as relações comerciais, é preciso desconfiar de valores que estão muito abaixo do que é praticado no mercado, já que isso pode ser um grande indicativo de procedência suspeita ou de qualidade inferior.

Nesses casos, além do risco de a peça não se encaixar, ou não funcionar da forma devida, ainda há aquela questão do “barato que sai caro”, já que o prejuízo pode ser bem maior posteriormente.

Por que é importante investir em peças originais?

Apesar de as peças originais serem vendidas por um preço um pouco mais elevado, elas garantem diversos benefícios para seu comprador. Dentre eles, podemos citar:

Maior durabilidade

Normalmente, as peças paralelas possuem uma aparência muito parecida com as originais, mas isso não é garantia de que a qualidade também é similar. Contudo, como o preço é inferior, as chances de que elas sejam fabricadas com os mesmos materiais, processo de fabricação e validação de qualidade são mínimas. 

Por outro lado, como as peças genuínas são mais caras, elas oferecem a garantia de que se preza pela qualidade, o que influencia diretamente na sua vida útil. Ou seja, a durabilidade delas é maior, fazendo com que a necessidade de reposição seja menor que no caso das genéricas.

Mais economia

Quando você considera apenas o curto prazo, certamente a compra das peças paralelas compensa muito mais, já que elas são mais baratas. Porém, essa é uma ilusão que induz muitos gestores ao erro.

Como elas possuem uma durabilidade menor, o tempo entre uma troca e outra também diminui. Isso faz com que, no longo prazo, seja necessária uma quantidade bem maior de peças genéricas, em comparação às originais. Isso faz com que o gasto acabe sendo maior.

Além do custo de aquisição do item, ainda se deve considerar o custo da mão de obra do mecânico, que também será maior, já que ele será acionado mais vezes. O valor do frete também é menor, em decorrência do tempo que os caminhões ficam parados aguardando reparo.

Melhor desempenho

Como já dissemos, as peças originais seguem um padrão de fabricação e testes rigorosos de qualidade para certificar que elas estão dentro das especificações necessárias para cada veículo.

As peças paralelas, por se tratarem de cópias das genuínas, estão sujeitas a erros e desvios no momento da fabricação. Devido a isso, é seguro dizer que somente as originais otimizam o conjunto, o que faz com que o desempenho seja superior.

Essas pequenas falhas que as genéricas possuem, além do seu menor tempo de vida, podem causar problemas de funcionamento de outras partes, prejudicar o desempenho e até mesmo aumentar o consumo de combustível (dependendo do item).

Padrão de qualidade

A tecnologia e o padrão de qualidade envolvidos na fabricação das peças originais são assegurados por um projeto desenvolvido pela equipe de engenharia, seguindo requisitos mínimos. 

No fim das contas, são produtos que asseguram a melhor relação custo-benefício, garantindo o melhor para o caminhão, ao mesmo tempo em que se tem um item que possui uma vida útil maior.

Garantia de qualidade

Quando falamos em padrão de qualidade e testes são realizados, nos referimos à criação de peças capazes de suportar as mais variadas condições previstas pela fabricante, o que nem sempre acontece com as genéricas.

Além disso, o prazo de garantia dessas peças também é maior que o das paralelas.

Manutenção da garantia do veículo

Quando se trata de uma frota nova, as montadoras oferecem garantia para veículos novos. Contudo, para que se possa aproveitá-la, é preciso observar algumas questões, a saber:

  • todas as revisões devem ser realizadas dentro do prazo estipulado, na rede de autorizadas;
  • todas as peças usadas precisam, obrigatoriamente, ser originais.

Caso o caminhão tenha alguma falha e seja necessário recorrer à garantia, é feita uma inspeção para tentar determinar a origem do problema. Se for constatado o uso de peças genéricas, perde-se a garantia de fábrica.

Maior segurança

Como as peças genéricas não possuem a mesma garantia de qualidade e segurança, os riscos de uma parada — ou mesmo um acidente de trânsito — durante a execução de uma rota são bem maiores.

Por exemplo, se o sistema de freio não funcionar de forma adequada, existe uma possibilidade muito grande de colidir, e de prejudicar outras questões muito relevantes, tais como:

  • colocar em risco a vida das pessoas no trânsito;
  • arriscar a vida do motorista;
  • avariar a carga;
  • atrasar a entrega;
  • reduzir o índice de satisfação do cliente;
  • elevar o custo da manutenção.

A princípio, a compra de peças paralelas pode ser um excelente atrativo para se alcançar a redução de custos que todo gestor deseja. Contudo, como se pode ver com esse artigo, a possibilidade de ter um gasto maior — além do aumento dos riscos — é bem grande.

Gostou do nosso post de hoje? Quer saber mais a respeito do uso de peças originais e outros temas relacionados? Então. siga nossos perfis no Facebook e Twitter e fique por dentro das novidades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *