Saiba como se organizar para a chegada do segundo filho

Muitos desafios da gravidez e da função materna e paterna já se tornam mais fáceis quando se espera o segundo filho. Afinal, não há tanta ansiedade quanto na experiência de primeira viagem, já que muitos caminhos foram desvendados com a chegada do primeiro bebê.

Ainda assim, é preciso se organizar e se preparar para esse momento, principalmente no aspecto financeiro. Um bom planejamento do orçamento doméstico é importante em todas as fases da vida. Em uma nova gravidez não seria diferente.

E então, como se planejar da melhor forma? Será que um novo filho dobrará os gastos familiares? Veja nossas dicas para adaptar sua realidade e manter o equilíbrio das contas!

Verificar o que é possível reaproveitar do primeiro bebê

O primeiro passo é checar tudo que o segundo filho pode aproveitar do irmão. Quando as crianças são do mesmo gênero e têm idades próximas fica muito fácil continuar o uso de roupas e objetos. Mas também é possível economizar bastante em outros casos.

Com esse reaproveitamento, geralmente é possível realizar investimentos maiores, como a compra do berço, cadeiras de alimentação, banheira, babá eletrônica e carrinho.

Muitos brinquedos também podem ser utilizados novamente, principalmente os grandes, como tapetes coloridos, blocos de montar e triciclos.

Além disso, é interessante dar uma olhada nas roupas de cama e de banho que ainda estão em boas condições de uso. E, claro, muitas roupinhas do primeiro bebê devem estar em bom estado, já que o crescimento rápido da criança faz com que ela use poucas vezes a mesma roupa.

Usar a experiência anterior para saber o que comprar

Percebeu como vocês estão muito mais preparados para receber um novo bebê? Essa situação não será tão desafiadora e custosa quanto a primeira gravidez. Muitos gastos podem até ser eliminados — provavelmente há coisas que vocês compraram para o primeiro filho e depois perceberam que não havia necessidade.

Vários outros custos podem ser reduzidos pela experiência que vocês já têm. Por exemplo: é possível que a família tenha concluído que alguns produtos não precisam ser comprados da melhor marca, pois uma opção mais barata traz o mesmo retorno. Com o segundo filho, o casal costuma ser mais prático e consciente.

Fazer uma projeção de gastos

Para não perder a organização financeira, façam uma lista das coisas que precisarão ser compradas. E lembrem-se que há 9 meses para realizar essas compras. Vocês não precisam ter pressa e contrair dívidas para adquirir tudo no primeiro mês. Façam as compras com calma e planejamento.

A experiência da primeira gravidez também vai ser muito útil para projetar os novos gastos. Resgatem na memória (ou nos arquivos anteriores, caso vocês tenham feito a programação financeira) o quanto foi gasto com o primeiro filho. Ainda que os preços não sejam os mesmos, essa informação vai ajudar na sua lista atual.

Alguns custos básicos que devem ser incluídos são:

  • plano de saúde ou preço de consultas;

  • fraldas e artigos de higiene;

  • gastos com alimentação e, mais para frente, educação.

Além desses, vocês precisam incluir itens que não serão aproveitados da mobília e do enxoval.

Fortalecer sua reserva de emergência

Toda família precisa ter dinheiro guardado para momentos inesperados. Essa necessidade se torna ainda mais forte com a chegada dos filhos. Afinal, vocês não querem enfrentar dificuldades financeiras quando for preciso fazer algum gasto maior.

Por mais que o casal seja organizado e tenha uma boa renda, é impossível prever todos os gastos futuros. Assim, a dica é ter uma reserva de emergência que ofereça segurança em momentos críticos. Quem se preocupa com isso fica mais tranquilo em situações difíceis, como a perda de um emprego.

Se vocês não têm esse cuidado, é o momento de começar. Se já têm, é importante fortalecê-lo. Ou seja, continuem separando uma parte do salário para depositar. O ideal é que a reserva de emergência corresponda a pelo menos 6 meses do custo de vida da família. Quando se tem filhos, esse montante precisa aumentar.

Montar uma poupança para a criança

Além da reserva de emergência, também é interessante que o seu segundo filho — e o primeiro — conte com uma poupança só para ele. Ela pode ser utilizada ao longo da vida, para custear gastos importantes, ou ser guardada para a maioridade da criança.

Supondo que vocês juntem apenas 50 reais por mês, seu filho terá mais de 10 mil reais quando completar 18 anos. Esse dinheiro pode ser usado para pagar um curso, fazer um intercâmbio, ajudar a comprar um carro para ele ou até mesmo começar um negócio.

Se montar essa reserva não é possível no seu orçamento atual, considere a possibilidade de economizar. Cortando alguns gastos supérfluos vocês fazem o salário render mais, permitindo que sobre algum dinheiro no final do mês. O equilíbrio financeiro no presente é um passo fundamental para garantir o futuro dos filhos.

Para os casais que têm dificuldade em juntar dinheiro, investir em um consórcio pensando na criança é uma boa opção. Assim, vocês realizam o pagamento mensalmente e não correm o risco de gastar o dinheiro com outras coisas.

Adquira bens materiais que acomodem a família

Por fim, há outra maneira de se preparar para a chegada do segundo filho: comprando bens duráveis. Vocês já têm um carro que atenda as necessidades de todos? O apartamento ou casa onde moram é o bastante para 4 pessoas? O bairro tem estrutura adequada para as crianças?

Uma das formas de conquistar a estabilidade financeira é construindo um patrimônio. Se vocês moram de aluguel, por exemplo, é uma boa hora para considerar a compra do próprio imóvel. Esse é um bem de grande valor para toda a família.

Mas atenção: nada de se endividar e pagar juros abusivos para adquirir seus bens. Para fazer uma compra planejada que caiba no seu orçamento e não cobre taxas exageradas, o consórcio é a melhor opção. Procure uma carta de crédito que melhor se adeque às suas possibilidades.

Preparar a família para receber mais um membro é um desafio. Mesmo assim, a chegada do segundo filho costuma ser bem mais tranquila do que a do primeiro. Vocês já trilharam alguns caminhos e podem utilizar a experiência anterior como guia. Com isso e as sugestões que demos neste post, tudo correrá bem.

Que tal receber mais dicas que ajudem sua família? Assine nossa newsletter e acompanhe nossas publicações!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *